TECNOLOGIA

Ferramenta para quebra do coco babaçu garante menos esforço físico e mais saúde

A tecnologia pode evitar problemas de saúde decorrentes do sistema tradicional para quebrar o coco

Foto / Internet

No programa “Prosa Rural Nordeste” desta semana comentou sobre a tecnologia desenvolvida pela Embrapa Cocais e em fase final de validação: a ferramenta de quebra do coco babaçu. O protótipo, de uso individual permite que a extração das amêndoas seja feita com a pessoa sentada em uma estação de trabalho em posição ergonômica correta, evitando problemas de saúde decorrentes do sistema tradicional para quebrar o coco. A tecnologia está sendo testada pelas quebradeiras de coco nas regiões do Vale do Itapecuru, Pindaré-Mirim e Médio Mearim para sugestão de ajustes e adequações às suas necessidades de trabalho e de rendimento da produção.

DEMANDA DAS QUEBRADEIRAS DE COCO

Para o pesquisador José Mário Frazão, a ferramenta atende demanda das quebradeiras de coco identificada durante as oficinas regionais do Babaçutec (evento da Embrapa Cocais que discute temas de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação – P&D&I para a cadeia de valor do babaçu). O pesquisador destaca que a ferramenta é uma tecnologia social, desenvolvida em interação com a comunidade, e deve contribuir para a melhoria das condições de trabalho e renda de milhares de mulheres que vivem do extrativismo do babaçu. “O acesso a essa ferramenta é um compromisso da Embrapa com as quebradeiras de coco”.

O engenheiro Ivanildo Madeira Albuquerque, parceiro da Embrapa no desenvolvimento da tecnologia, diz que o protótipo reduz o emprego da força na quebra do coco, pois tem mais potência no corte, que é acionado via alavanca. “Acredito que o produto deixará legado bastante positivo para o extrativismo do coco babaçu”.

Aprenda a fazer um brownie de chocolate tradicional com nozes em pouco tempo

Receitas com sardinha em lata: três sugestões fáceis e baratas

Os recursos para o desenvolvimento da ferramenta vieram da Fundação de Amparo e Desenvolvimento Científico do Maranhão (Fapema) e do Fundo Mundial para o Meio Ambiente (GEF), por meio do Projeto Bem Diverso, fruto da parceria entre Embrapa e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Acompanhe a entrevista completa AQUI. 

Carregando