SÃO LUÍS

Conheça a história do cachorro-quente do Companheiro

José Carlos Nunes, ou simplesmente ‘Companheiro’, tem 76 anos e vende cachorro-quente no Centro Histórico de São Luís desde os 17

José Carlos Nunes, ou “Companheiro”, como é mais conhecido, já virou quase um ponto turístico na Praça João Lisboa (Foto: Honório Moreira / O Imparcial)

Muito além dos casarões e logradouros, o Centro de São Luís abriga diversos personagens históricos, que se confundem em meio à paisagem e acabam tornando-se parte dela. Na esquina do Largo do Carmo com a Rua Victa,por exemplo, a barraquinha de cachorro-quente do aposentado José Carlos Nunes, ou “Companheiro”, como é mais conhecido, já virou quase um ponto turístico, assim como a Praça João Lisboa e o Mercado Central, que ficam ali perto. Companheiro, hoje com 76 anos, começou a vender cachorro-quente nos idos de 1958, com 17 anos de idade.

“Comecei ajudando na barraquinha de um cunhado. O nome da barraquinha era ‘Companheiro’, daí vem o apelido”, explica. “Aqui nesse espaço, eu já estou há 39 anos, mas também vendi por muito tempo ali na Praça Deodoro, perto do Liceu”.

Companheiro é um homem tradicional e mantém a mesma receita do cachorro-quente até hoje. E aqui cabe explicar: o tradicional dele é um pouco diferente do cachorro-quente que estamos habituados. A começar pelo pão, que é francês, quase sempre de massa grossa. Em vez de batata-palha e salsicha, o cachorro-quente de Companheiro, que custa R$ 5, é feito com carne moída frita, alface, tomate, cebola, pepino e ervilha. E nada de ketchup ou maionese. “Quem vem aqui já sabe que não tem nada disso. Quando chegam alguns clientes novos e pedem ketchup ou maionese, os clientes antigos começam a rir”, conta o vendedor.

Companheiro mantém a mesma receita do cachorro-quente até hoje (Foto: Honório Moreira / O Imparcial)

Na barraquinha de Companheiro, apenas molho de pimenta é disponibilizado aos fregueses. O método, apesar de não muito convencional, parece ter funcionado. Companheiro conseguiu fidelizar sua freguesia. Com o tempo, ficou amigo de muitos dos seus clientes, como o empresário Carlos Soares, de 60 anos, que compra o cachorro-quente há décadas. “Hoje moro em Imperatriz, mas sempre que venho a São Luís faço questão de comer o cachorro-quente do Companheiro”, diz. “Eu acho que ele põe algum componente aí que dá um gosto diferente, por isso ninguém consegue comer esse cachorro-quente só uma vez”, completa.

Outro cliente fiel é o promotor aposentado João Pinho, de 67 anos. “Eu estudava no Liceu, então comia o cachorro-quente quase todo dia. De 1967 a 1969 eu vivi à base do cachorro-quente do Companheiro”, brinca. “E até hoje faço questão de vir aqui sempre, pelo menos umas quatro ou cinco vezes por mês”.

Companheiro não aparenta a idade que tem. Todo o trabalho da barraquinha é comandado por ele, que também é o responsável pela montagem dos cachorros-quentes. Com diploma de auxiliar de laboratório pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA), foi vendendo cachorro-quente que Companheiro conseguiu sustentar a sua família e formar seus filhos. “Tenho quatro formações além dessa da UFMA. Já trabalhei de quase tudo nessa vida. Fui jardineiro, ajudante de pedreiro e aí comecei a vender cachorro-quente. Foi aqui que me encontrei”.

Companheiro mora no Anjo da Guarda e vende cachorro-quente no Largo do Carmo de segunda a sexta, sempre pela manhã. “Eu chego bem cedinho, pra já começar a vender antes das 7h. Aí fico aqui até vender tudo o que trouxe de casa. Normalmente, antes do meio-dia já acabou tudo. Se chegar aqui 13h, já não me encontra mais”, diz orgulhoso.

São 59 anos vendendo cachorro-quente. Hoje, Companheiro esbanja uma disposição invejável e diz não pensar em parar. “Antes eu vendia durante o dia inteiro, até à noite, e também sábado e domingo. Hoje não dá mais, porque a gente sempre tem alguma ocupação. Mas a minha vontade era vir todo dia. Não penso em me aposentar disso daqui. Vou continuar vendendo cachorro-quente enquanto Deus permitir, porque é só Ele quem sabe a hora certa das coisas acontecerem. Quando Ele disser pra eu parar, eu paro. Enquanto isso, vou vendendo cachorro-quente”, finaliza.

Endereço:  Rua Afonso Pena, n° 20 – Centro. ( Próximo a Praça João Lisboa no Beco da Pacotilha ao lado da casa lotérica, próximo ao “Ferro de gomar”)

 

Veja também

Edições Impressas Confira nossas publicações Ver Mais
Mais Populares As mais visitadas do nosso site Ver Mais